terça-feira, 26 de junho de 2012

Inclusão digital

A geração dos meus pais não nasceu para lidar com "tecnologia". A não ser que você, caro leitor, tenha pais que trabalham com TI, desenvolvimento de softwares e tudo e tal, você saberá do que falo. É um bloqueio condicionado aos cidadãos que nasceram de 1960 para baixo.

Fico admirada com a dificuldade de assimilação de como usar certas coisas e com a resistência de usar ferramentas que vieram ao mundo para fazer a nossa vida mais prática, rápida e feliz. Eu vivo conectada 24/7. Assumo meu vício irremediável. Durmo com o smartphone. Não sei viver sem e-mail, 3G, wifi, skype, whatsapp, facebook, GPS, "cloud", Youtube. Essa coisa de "acho uma delícia viver isolado(a) da civilização"... é o caralho! Eu tenho é ataque de pânico quando o 3G começa a falhar! Eu resolvo a minha vida pela internet. Faço compras (aliás, sem mais baratas), pago contas (sem pegar fila), combino encontro com os amigos, trabalho. Essa é a minha vida, este é o meu clube. 

Dia desses, na firma...

"- Alô, oi. Eu sou cliente de vocês e vocês não me mandaram o último catálogo. Eu estou com pressa pra fazer uma compra. Poderia me enviar um pelo correio?
- Ah, a senhora poderá visualizar o nosso catálogo completo online através do nosso site www.firma.com.br e...
-  Não, meu bem. Veja, o meu chefe não sabe usar essas coisas... Ele prefere ter o caderno pra folhear e ver as coisas direito. Não tem graça ver pelo computador.
- Sim, mas Correio e pressa não combinam exatamente...
- O que?
- Fica tranquila que vou colocar no correio."

Uma semana depois...

"- Alô? Então, meu catálogo ainda não chegou..."

JURA?

Mas é claro, existem situações que rendem algumas risadas...

Dia desses, em casa:

- "Filha! Adivinha!? Aprendi a passar e-mail e fazer um scanner!"

Achei meigo. Horas mais tarde...

"-Filha, como é que eu acesso o Hotmail?
- www.hotmail.com, pai.
- Peraí... como é?
-Abre o Explorer, pai...
- Que?
- A página da internet...
- Esse E aqui, né?!
- Isso...
- E agora?
-  Agora você digita "dabo labo dabo dabo, ponto ponto, barra barra"(tentativa de imitar a Fala Sônia)...
- Não entendi! (pai não tem intimidade com o Youtube)
- Errrr, brincadeira... só digitar o endereço do Hotmail. Mas desde quando você tem Hotmail?
- Pois, é! Descobri que tinha esses dias... acredita?
- Não..."

 Outro dia, com a mãe dentro do carro em viagem para Neverland, ouvindo música com rádio conectado ao bluetooth do celular...

"- Como é que você fez isso?
- Isso o que, mãe?
- Você mudou de música sem mexer no rádio!
- Ah, é o bluetooth mãe...
- Quem?
- Blú-tú-fi!
- Ah... e o que é isso?
- É uma tecnologia de compartilhamento de dados entre dispositivos eletrônicos. No meu caso, entre o rádio e o celular...
- Ah."

(alguns minutos mais tarde)

"-  Não entra na minha cabeça...
- O que, mãe?
- Como é que pode você mandar as músicas daí pra lá...
- É tipo conexão de internet wifi...
- ???
- Aquela do bagulinho que você tem na mesa do computador que só eu e o irmão usamos... 
- Ah. Mas o rádio não é computador...
- Mãe, é tipo assim, presta atenção: eu entro no carro com meu celular. O celular vê meu rádio e começa uma conversa 'Oi! Tudo bom? Você tem blú-tú-fi?'. Aí o rádio na hora responde "Oi! Tudo bem, e vc? Tenho sim!'. Aí o celular responde 'Legal! Vamos compartilhar dados? Eu mostro minhas músicas pra você e você toca?'. E o rádio responde 'Supimpa! Vamos sim!'. Entendeu?
- Entendi! Aí eles viram amiguinhos! Haha! Que bonitinho isso!"




sexta-feira, 4 de maio de 2012

Conversa de gente madura

Aconteceu, dia desses, num domingo chuvoso, na casa de uma família de sub-interior qualquer, diálogos que exemplificam a maturidade e profundidade intelectual dessas pessoas, bem como suas notórias habilidades diplomáticas.

"Filha - Pai, deixa eu ver TV aí?
Pai - Hum. Zzzzzz...
Filha - Pai?
Pai - Que?
Filha - Quero ver TV!
Pai - Pode ver.
Filha - Deixa eu sentar no sofá então!
Pai - Pode sentar, oras...
Filha - Mas eu prefiro sentar aí!
Pai - Daqui não saio.
Filha - Ah é, então tá.
Pai - Minhanossasinhora! Você é surda? Abaixa esse volume!
Filha - Ah, pois é. Daqui eu não escuto a TV direito. 
Pai - Dá pra abaixar?
Filha - Não abaixo. Vai dormir no seu quarto.
Pai - Ah, mas que saco viu! Essas merdas dessas crianças não tem respeito e mimimi..."

Uma hora mais tarde...

"Irmão - Deixa eu ver TV?
Irmã - Pode ver. 
Irmão - Deixa eu sentar aí então?
Irmã - Não.
Irmão - Ah, deixa!
Irmã - Não deixo. Dá pra assistir daí. 
Irmão - Você é foda. Dá o controle então.
Irmã - Não dou. Tô vendo TV. 
Irmão - Você não tá vendo nada! Tá dormindo no sofá de costas para a TV!
Irmã - Mas é assim que eu vejo TV. 
Irmão - Dá!"

Nesse momento, o irmão rouba o controle das mãos da irmã.

"Irmã - Porra! Cacete! Devolve que eu estava aqui primeiro!
Irmão - Haha! Não devolvo!
Irmã - Devolve! Me dá aqui o controle!"

Agora, o irmão esconde o controle dentro da blusa e deita de barriga no sofá...

"Irmã - Me dá! Dá aqui! ME DÁ O CONTROLE! Mãããããããããããeeeeeee!!!! Ele escondeu o controle de mim!
Mãe - Haha! O seu irmãozinho é tão engraçado, né? Olha só ele! Tá morrendo de rir...
Irmão - HAHAHAHAHAHA! Sai de cima das minhas costas! Olha que eu vou peidar!
Mãe - Ai, que horror vocês dois...
Irmã - Dá o controle!
Irmão - Sai daí!
Irmã - ME DÁÁÁÁÁÁ!
Irmão -  Ah, vai se foder... Engole esse controle..."

No almoço...

"Filha - Essa guacamole é minha.
Pai - É nossa.
Mãe - Divide a guacamole que tem mais aqui.
Filha - Mas ele tá comendo tudo!
Pai - Levanta e pega mais.
Filha - Pega mais você!"

E na cozinha, com o cachorro...

"Mãe - Ah não! O cachorro já tá aqui dentro? É só com a sua "mãe" que você pode essas coisas, né seu fedido? Hihi... tão fofo esse cachorro... Bicho delícia!
Filha - Deixa o "filho" aqui. Tá frio lá fora... não quero que ele fiquei com a bundinha no chão frio.
Mãe - É, mas seu pai vai ter um pití quando ele ver o cachorro aqui dentro.
Filha - Pai chegou.
Pai - Ah não! NÃO! Esse cachorro aqui dentro não! Lugar de cachorro não é dentro de casa! Ele tá um horror de fedido! Vocês sabem que eu não suporto cachorro dentro de casa e ...
Mãe - Dá mais uma maçã pra ele...
Filha - Toma "filho"...
Pai - e quando a gente for almoçar eu quero ele pra fora e... hum... ele é bonitinho né...
Mãe - Ele deitou e se esfregou no seu sofá lá na sala...
Pai - ... olha a cara de pidão que ele faz... O QUE?"


Só pra situar: filho/irmão e filha/irmã têm respectivamente 25 e 27 anos. Os pais são cinquentões.

quinta-feira, 12 de abril de 2012

Traumas

Aquela conversa de amigas, na Páscoa...

"Talitta - Arô.
Amiga - Arô! E aí?
Talitta - Feliz Páscoa!
Amiga - Feliz Páscoa!
Talitta - Tamo fazendo coelho assado aqui...
Amiga - Haha! Delícia! Passei a manhã aqui fazendo patinhas de coelho de guache pela casa para a minha sobrinha. Falei que ia fazer tudo vermelho sangue e ia falar pra ela que tinha coelho pro almoço, só pra causar.
Talitta - Afe, maria... traumatizando o bebê desde cedo...
Amiga - É pra aprender desde pequena que a vida não é justa!
Talitta - Ha! Quanto amargor nesse coração!
Amiga - Tô errada?
Talitta - Não né. Mas essas coisas a gente aprende no colegial aos 13 anos quando você percebe que nenhum menino gosta de você porque você tem bigode, não importa o quanto você é inteligente.

domingo, 8 de abril de 2012

Menos fubá, s'il vous plait

Fui passar as férias na Zorópa.

Tinha aí bem uns 11 anos que não pisava em solos do velho continente. Como fui ficar hospedada em casa de família que não sabia muito sobre a cultura tupiniquim resolvi levar algumas coisas daqui pra fazer uma graça.

Dia desses, um pouco antes do jantar, eu me sentia assim cansada e em crise existencial por conta do esforço mental de me comunicar em outra língua. Para evocar os espríto de porco  as energias da terra mãe eu resolvi que ia fazer uma sobremesa de vó afim de me confortar.

"Bófis - O que é que você vai fazer?
Talitta - Vou fazer um bolo!
Bófis - Um bolo!
Talitta - Oui!
Bófis - Mas bolo de que?
Talitta - Bolo de fubá!
Bófis - Ah, bolo de fubá! Qu'est-ce que c'est?
Talitta - Fubá é uma farinha de milho muito usada no Brésil. Dá um bolinho assim bem simples, mas que é uma delícia para tomar com café!
Bófis - Ah bon! E café eu gosto!
Talitta - Você não conhece bolo de fubá?
Bófis - Non. Mas aqui acho que você não encontra isso...
Talitta - Então vai conhecer hoje! E não se preocupe chéri, eu trouxe fubá do Brésil."

Só que aí me ocorreu o seguinte: eu como bolo de fubá, mas nunca faço. Minha avó faz, minha mãe faz, sempre nas mais variadas versões, mas eu não. Só como mesmo. Mas fala sério, quão difícil poderia ser fazer um bolo de fubá?

Bom, entrei na internet. Em 5 minutos achei dezenas de receitas. Escolhi uma e fui para a cozinha reunir os ingredientes e utensílios.

*Bater tudo junto no liquidificador*

"Talitta - Tem liquidificador?
Bófis - Oui. Mas pra que você quer um liquidificador?
Talitta - Pra fazer bolo de fubá!
Bófis - Mas vai fazer bolo com liquidificador?
Talitta - Oui, bien sur.
Bófis - C'est bizarre... Por que não usa essa batedeira? É muito boa...
Talitta - Pffff... Tá bom, dá na mesma."

E lá fui eu fazer um bolo de fubá com uma batedeira. Juntei tudo e liguei a batedeira e bati. Forno pré-aquecido, assadeira untada.

"Talitta - Abre essa lata pra mim, s'il te plait?!
Bófis - Abro. Qu'est-ce que c'est ça?
Talitta - Ça, é  goiabada!
Bófis - Goiabada?!
Talitta - Goiabada!
Bófis - Feita de que?
Talitta - De goiaba!
Bófis - Não diga! E vai fazer o que com isso?
Talitta - Colocar uns pedacinhos no bolo! Bolo de fubá com goiabada!
Bófis - Olha só..."

Cortei a goiabada cuidadosamente em cubos médios e coloquei na massa do bolo aleatoriamente. Bora botar tudo no forno e aguardar cerca de 30 minutos.

*30 minutos depois...*

"Talitta - Meu bolo tá pronto!
Bófis - ...
Talitta -  É...
Bófis - O que aconteceu com o bolo?
Talitta - Como assim o que aconteceu?
Bófis - Não cresceu?
Talitta - Não, bolo de fubá não cresce.
Bófis - Tem certeza?
Talitta - (cara de "como ousa duvidar de mim, que sou brasileira e conheço muito bem bolo de fubá!")
Bófis - É que isso aqui na França a gente chama de batumado.
Talitta - MEU BOLO NÃO TÁ BATUMADO! É assim mesmo!Prova!
Bófis -  É... melhor deixar esfriar antes..."

***Depois que o bolo esfriou***

"Bófis - Tá igual...
Talitta - É assim...
Bófis - Assim, duro?
Talitta- Oui!
Bófis - ...
Talitta- É, mas talvez um pouco menos...
Bófis - A temperatura do forno estava muito quente...
Talitta - Por que você não me avisou?
Bófis - Achei que você fosse perceber, oras...
Talitta - Bom, então... deixa pra lá né..."

O meu bolo de fubá foi um desastre por completo. Ficou batumado, duro e sem gosto. Mas duro mesmo foi admitir que eu tinha conseguido a proeza de estragar um prosaico bolo de fubá. Refletindo, já sei até o que foi que deu errado (a batedeira) mas deu uma dó danada de meter tudo no lixo. Pois, verdade seja dita, não dava pra comer aquilo. 

Como já estava meio tarde, eu só passei um filme na forma e coloquei dentro da geladeira até me dar coragem de jogar fora. Só que lógico que esqueci do bolo dentro da geladeira, pra outros membros da família encontrarem.

"- Gente, o que é aquilo dentro da geladeira? 
Bófis - ...
Talitta - é... era pra ser um bolo...
- Um bolo? Mas ficou meio batumado, non?"

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Horas...

Acredito que pra tudo tem hora nessa vida.

Tem a hora de trabalhar. Tem a hora do ócio. Tem hora pra comer porcaria e beber e tem hora pra dieta. Tem hora de rir e tem hora que não pode rir. Tem hora de ligar o foda-se. Tem hora de dormir.

Mas a minha família não sabe o que é isso. 

Apertamento da Talitta, hoje, por volta das 19h00...

"Talitta - Oi irmão.
Irmão - Oi, Táta. Viu...
Talitta - Já falo com você preciso ir ao banheiro."

***toca meu telefone***

"Mãe - Filha?
Talitta (de dentro do banheiro, sentada no troninho com as roupas arriadas) - Oi, mãe. Hum...
Mãe - Você viu que a Jô limpou a casa, né?
Talitta - Vi sim, mãe...
Irmão (do lado de fora do banheiro) - Toc Toc. Táta?
Talitta - Peraí que já falo com você, irmão.
Mãe - Eu fui no banco hoje e passei um tempão conversando com a mulher do banco...
Talitta - Não diga...
Irmão - Toc toc. Táta?
Talitta - Peraí!
Mãe - Aí ela falou que você precisa me mandar uns documentos e...
Irmão - Toc Toc. Táta, posso entrar?
Talitta - Não pode entrar!
Mãe - Que?
Talitta - Nada, estou falando com teu filho.
Mãe - Ah, então você vai ter que achar uns documentos aí e ...
Irmão - Eu preciso falar com você!
Talitta - Espera um minuto! Eu devo ter os documentos aqui... 
Irmão - Táta?
Talitta - Cacete!
Mãe - Ai credo, Talitta! Você procura os documentos aí então?
Irmão - Deixa eu entrar!
Talitta - Eu estou mi-jaaaan-do!
Irmão - rapidinho, preciso só te perguntar um coisa..."

... é aí que, sem muito aviso e/ou cerimônia, o irmão resolve que é socialmente aceitável abrir a porta do banheiro quando um familiar estiver dentro do mesmo. 

E eu, com celular na mão, as calça arriada até o joelho, ainda sentada no troninho e com cara de concho, escuto:

"Irmão - Quer salada?"

E sim, ele tinha um bowl de salada mas mãos. Dentro do banheiro.

E ninguém nunca entende o porquê de eu ser assim, tão estressada... Mas isso tá no sangue, olha aqui: http://vampirosemocionais.blogspot.com/2010/10/alguem-me-acode.html


quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Pensamentos minuto

Tem dias (vários) que não me ocorre nada bom o suficiente para postar.

Aí tem aqueles dias que eu me pego aqui, dodói, enquanto brinco com meus caracóis (da cabeça, ô!) tentando achar algum assunto polêmico para xoxar. Tento, tento, mas nada bom o suficiente para render um texto de 1000+ caracteres. Segue portanto, alguns pensamentos minuto:

- Vou apresentar o Michel Teló para a pessoa que inventou mocassins.
- Adoro carnes mal passadas. Minha vesícula porém, discorda.
- Acho curioso pessoas que perguntam se podem estacionar bem abaixo da placa de "proibido estacionar" na rua e quando recebem uma negativa se sentem contrariadas.
- Pessoas cafonas nem desconfiam que o são.
- As burras também não.
- Existe bom gosto musical, e pessoas que "curtem" música sertaneja universitária.
- Não sei lidar com gente que usa o "mas" no lugar do "mais" e vice-versa.
- Também não sei lidar com pessoas que "apreciam vinho tinto suave".
- Brasil: a sexta economia mundial, onde seus cidadãos acham que "proteína" na verdade é "mistura". E não sabem explicar o que é a "mistura". E também não sabem o que vem a ser proteína.
- Respeito cada dia menos a opinião de pessoas que assistem novelas. No singular e no plural.
- Se eu ganhasse 1 real de cada pessoa que me dissesse que eu sou engraçada... bom, eu continuaria pobre.
- O mesmo vale para as que dizem que sou inteligente.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Mais uma de ano novo

Quase esqueci. Foi assim, passei o ano novo na Terra do Nunca com a família e um casal de amigos da família, muito queridos.

A mãe e a amiga "juntaram as panelas" como de costume. E, além de todas as coisas daquela listinha da sorte que a mãe fez (sim, todas) a amiga trouxe uma inovação.

Repolho.

Isso mesmo.

Repolho, fatiado, cru.

A intenção seria comer o tal do repolho logo após a meia noite (tipo assim né, ia ter que entrar na fila).

" - Mãe: Ai! Esquecemos do seu repolho!
- Amiga: tem nada não, come agora.
(pausa para enfiar o repolho fatiado e seco na boca da Talitta)
- Mãe: vai filha! Come! Viu, mas pra quê comer repolho?
- Amiga: ah, o repolho simboliza a fartura, prosperidade...
- Talitta: Jura? Sempre achei que simbolizasse gases...".


Enfim.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Simpatias de Ano Novo

Ah, pois é. Faz tempo que não tem post. Mas é porque eu estava ocupada fazendo coisas realmente importantes.

Mas Janeiro é o mês internacional do ócio criativo, então boralá. 

Janeiro também é o mês que todo mundo consegue se recuperar da psicose de Dezembro. Mil e umas resoluções, parar de beber, fazer dieta, ler mais, xingar menos, recuperar a dignidade. Mas voltando alguns dias aí no tempo, vamos lembrar das simpatias de ano novo. Me refiro as bizarrices brasileiras, é claro. Não conheço outras. 

Aliás, são tão numerosas e antigas, que deixam de ser simpatias para virarem verdades absolutas, tradição de família e marca "rezistrada" do povo brasileiro (alô, Lula?). Abaixo listarei as simpatias que você, caro leitor, deveria ter feito para garantir um ano melhor. E se você não fez, há! Sifúd...

- Comer lentilhas ensopadas
"As lentilhas simbolizam moedinhas, riqueza, prosperidade!", diz a mãe. Para o pai, simboliza início de ano com azia. 

- Comer romãs
"As romãs também simbolizam riqueza, fartura!". Eu gosto de romãs. Gosto do visual delas na comida, acho fino. Mas legal mesmo é chapar e ficar cuspindo as sementes em alguém bem vexatório.

- Comer 12 bagos de uva a meia noite
A mesma ladainha. Prosperidade, riqueza, fortuna, caralho a quatro. Mas tem que ser a meia noite. Então favor correr e engolir 12 bagos antes que seja tarde e o seu ano todinho seja comprometido. De preferência de uma vez só. E não perca a conta. Ah, não engula as sementes. Cuspa elas na mão de alguém e peça para guardarem as sementinhas. Dá sorte. Pra você, claro.

- Comer carne de porco/peixe.
Tem que ser porco porque porco não cisca (jura?). Peixe também não cisca. Galinha cisca. E anda pra trás. Mas eu juro que achava que era o jeito delas de homenagearem o Moonwalk. Não, espera. Tô confusa. Quem nasceu primeiro? Galinhas ou Michael Jackson? Hum...

- Comer tâmaras, nozes, avelãs e castanhas em geral
Adivinha?! Dá sorte! Prosperidade! E em grande quantidade (pois comer mais, significa mais dinheiro) garante a primeira semana do ano com o intestino bem travadinho! Iupi!

Bom, mistura tudo isso com as birita e eu juro que não dá refluxo. Juro.

Bom, continuando. Já se empanturrou? Já garantiu a ressaca do dia seguinte? Então faz isso aqui ó:

- Pular com o pé direito 
Porque pular com o pé direito atrai coisas boas. Se você estiver bêbado, atrai tornozelo torcido. Se você estiver muito bêbado, pode ser que atraia também um braço quebrado e traumatismo craniano. E consequentemente, dívidas no hospital. Mas tem que ser com o direito, porque segundo a Bíblia tudo que está do lado direito é bom. E esquerdo é ruim. Ou seja, se você é canhoto, já nasceu phodido. Mas isso, segundo a Bíblia. Se você não é cristão, aí não tem problema.

- Jogar moedas da rua pra dentro de casa
Atrai riqueza pra todos que moram no lugar. Mas de verdade verdadeira, isso é mais pra zoar a dona Dita que vai fazer faxina, entupindo o aspirador pra deixar ela puta.

- Dar três pulinhos com a taça de Champagne na mão, sem derrubar uma gota
Mas veja bem, tem que ser Champagne. Porque nem todo vinho espumante é Champagne. Champagne, só da região de Champagne na França. O resto não dá. Meio óbvio, né? Champagne é coisa de rico, então atrai riqueza. Os genéricos, são coisa de pobre então atrai pobreza. Cidra atrai miséria. E façavor, quero ver quem é estúpido bastante pra desperdiçar Champagne nos pulinhos... melhor não pular então. Fora que, se você estiver na segunda garrafa de Champagne e cair de bêbado com a taça na mão, imagina só...

- Subir um degrau
Diz o folclore que simboliza a sua vontade e determinação de subir na vida. Pode ser subir numa cadeira também. Mas não vai fazer isso bêbado, porque vai simbolizar uma queda, um queixo aberto e uma cicatriz sexy. No queixo, digo. Peraí... E bêbado tem determinação de que mesmo?

- Fazer barulho
Segundo os babilônios (eu consultei um antes de escrever isso aqui) fazer barulho afugenta os maus espíritos. Mas pra bêbados, fazer barulho é algo instintivo. Quase pleonásmico. Né não? E é por essas e outras que eu sempre digo que bêbados são Highlanders... 

- Acender velas na praia
Significa: primeira MACUMBA do ano! Eba! Super coerente com os cristãos brasileiros! Adoro essas coisas! Que tem, gente? Não pode mais gostar de Cidinha, Lupita e Iemanjá? Tá doido... Ah, tem que ser na praia também. E faz uma vala pra maresia não apagar as velas. Mas não vai esquecer da macumba acesa e ficar dançando locona ao redor da vala e cair na vala e botar fogo no vestido e já sabe...

- Pular sete ondas
Mas tem que ser na praia. Essa coisa de paulista, que não conseguiu viajar pro Guarujá, tomar um ácido e achar que tá vendo ondinhas na Augusta não vale. É o esgoto que transbordou com a chuva, gente. Não se taca... E as ondinhas pequeninas já é o suficiente. Não precisa ir pro fundo pra dar uma de macho, impressionar as tias que ainda estão fazendo as simpatias pra casar pelo sexagésimo ano consecutivo e se afogar. Não adianta de muita coisa...

E por último, as dicas de moda para atrair mais bons fluídos para o Ano Novo: 
Vestir roupas brancas com calcinha/cueca colorida! Ai que fino! Ai que luxo! E tudo isso pra depois que você se tacar na praia e/ou piscina e/ou tomar muita chuva todo mundo ficar sabendo o que é que você tá querendo pro ano novo... Aliás, eu sei de um monte de gente que tem coleção de cueca amarela, calcinha vermelha...
E aí? Check list completado? O ano vai ser bom ou já lascou tudo de vez? Então, já fique ligado pro próximo...

Feliz ano novo! Muá!