terça-feira, 9 de agosto de 2005

CURVA DE RIO

E me ligaram do estrangeiro só para me lembrar de que eu sou a personificação de uma curva de rio.

Oi? Ah claro, eu explico.

A "curva de rio" é exatamente o lugar onde para todo o tipo de porcaria que foi jogada no mesmo. E quem lê deve estar imaginando o que uma pessoa poderia ter em comum com uma curva de rio. Pois bem, se compararmos uma curva de rio aos relacionamentos interpessoais afetivos de uma pessoa, encontraremos milhares de semelhanças.

E eu ganhei a taça "Joínha da Curva de Rio 2005 ", e olha que o ano nem acabou...

Acabo de confessar a uma amiga todos os meus "ganhos" do ano, assim, sem pudores, mas irei simplificar para que não fique pedante em demasia. Para aqueles que viam de longe os meus relacionamentos, eis a verdade: alcoólatras sujos em crise existenciais, viciados em sintéticos com pouco conteúdo, defensores da lei ignorantes e carentes, Monet´s * (vide final do texto), Vila Olímpias que nem lembro mais o nome (se é que alguma vez eu soube), workaholics surtados...

E a minha mais brilhante conclusão até agora foi a de que o meu maior problema é justamente a pessoa que está sentada atrás do computador escrevendo esta crônica muy útil.

"Oh, a Talittinha...tão estudiosa, centrada, trabalhadora..." . Acredito que encontrei o equilíbrio. É como disse o grande filósofo: "afinal, não se pode ter tudo na vida..."

Incrível como uma pessoa pode ser brilhante em alguns aspectos e possuir o pior julgamento de caráter existente nessa coisa redonda e azul achatada nos pólos vulgarmente chamada de Terra.

Ah sim...Monet quem? Monet foi um impressionista francês cujos quadros eram verdadeiras obras primas quando observados a mais de 5m de distância. E, quando os pobres e ignorantes mortais se aproximavam para entender tamanha genialidade, não viam nada mais que um borrão. Pois é..

Comparando a obra deste gênio do Modernismo com um fato banal como "ser uma míope inveterada e olhar o sexo oposto a mais de 5m de distância" pode ser mais dramático do se imagina... Digamos que é aconselhável não ficar paquerando ninguém a menos de 1m de distância... Alguém pode se deparar com um borrão...

Mais direta impossível.

sexta-feira, 29 de julho de 2005

CASA DA MÃE JOANA E OUTROS CONTOS...

E quando eu digo que minha casa é a Casa da mãe Joana ninguém acredita! Provas? Pois bem...

Ontem, por volta das 18h00, chego em casa da faculdade, como todos os dias da minha rotinada vida severina, e encontro a querida e amada mãezinha salve salve! na cozinha...Faço um árduo exercício que fatalmente deixa uma pessoa sedentária como eu sem qualquer fôlego remanescente (subir as escadas) e encontro meu irmão e... um amigo.

O irmão e o amigo estavam no computador brincando com o novo (e pop) i-Pod do amigo.

O amigo ficou para jantar (sem qualquer embaraço ou convite).

Até aí tudo bem. Nenhuma novidade. Com exceção a uma conversa bastante peculiar entre os meninos, sobre a qual eu não tomei parte (e preciso contar!). Era a seguinte:

" - Qual é o nome daquele cara que conta fofoca no programa da tarde?
- Ah, tem dois , não tem?
- Tem sim...mas qual o nome? Eu sei que os dois são Leão alguma coisa...não é isso? Tem dois Leão na TV...
- Ah, claro que tem! Um Leão é o Leão Lobo, e o outro Leão é o Nelson Rubens...
- Sabia que tinha dois Leão..."

...e continuaram jantando sem perceber o absurdo da conversa que tinham tido...

Bom, piadas sem graça e nonsense a parte, caminhemos para a parte chave e título desta anedota.

Após a janta, saí de casa para prestar uma ilustre visita uma amiga que ha muito não via, e voltei 1h depois. Entro em casa, nova tortura rumo ao primeiro piso (subir as escadas) e vi a mesma movimentação no computador. Entro na sala e... encontro duas pessoas que não fazem parte da família e que muito menos possuem minha consideração: o amigo do irmão que tinha ficado para jantar e outro amigo do irmão. E só.

Agora, imagine a seguinte narrativa com os dois fulanos vidrados no computador e no i-Pod e a interlocutora aqui parada na porta com cara de "?" e não sendo nem um pouquinho levada a sério.

" - Cadê meu irmão?
- Saiu. Foi pra São Paulo com o Rodrigo.
- Oi? Fazer o que a essa hora em São Paulo?
- Sei lá. Foi num bar acho.
- E vcs tão fazendo o que aqui?
- Não tá vendo? Usando o seu computador.
- Ai é? E vão ficar até quando?
- Ah vai demorar. Tem mais um chegando.
- Mais um o que?
- Mais um amigo. Ele tá trazendo o i-Pod dele.
- Que bom. Quem é?
- Ah, vc não conhece. Viu, abre a porta pra ele a hora que ele chegar. Valeu Tatá!"

... e blam! A porta foi fechada. E é claro que eu estava do lado de fora.

Conclusão: o amigo, o outro amigo e o amigo dos amigos na casa da esquina da Belvedere (deixo bem claro que esta não pertence a nenhum deles), no computador. A interlocutora, com cara de c*... injustiçada, escurraçada e ignorada em sua própria casa! Só restou ir pra lareira com a Katarina, com o cobertor e com a cerveja (aaaaahhhh delícia!) assistir ER.

"E vê se os meninos precisam de alguma coisa!" disseram os supremos moradores da esquina da Belvedere. O que mais podem querer?

Mas é claro.

E até aí tudo bem. Nenhuma novidade. Alguém quer mais alguma prova?

quarta-feira, 23 de março de 2005

Pensamento do Dia!

E é com grande honra que re-inauguro o meu queridississíssimo blog com uma frase proferida pelo meu paizinho hoje, por volta das 19h30, no transito em SP, a caminho de nuestra ilustre morada em Arujá...

" Tudo que agride o corpo faz mal para a saúde..."


Auêi que eu estou de volta e afiadíssima!!