segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Um minuto na minha cabeça

Quisera eu saber sair de situações constrangedoras com mais elgância... E quisera mais ainda ter a coragem de realmente responder o que penso.

Outro dia na importadora um cliente chegou, se apresentou e perguntou meu nome. Foi assim:

" - Oi, boa tarde! Eu sou o Fulano de Tal. Qual o seu nome?
- Talitta. Como posso ajudá-lo?
- Ah, Talitta! O nome da minha filha número 1! (assim, bem entusiasmado...)
- Ah, haha... é mesmo?
- É... só que ela morreu. Na verdade, nasceu morta.
- ... Hum. (Pensamento: Mas que assunto mais inapropriado para ser tratado com uma total desconhecida, não acha?)".

No mesmo dia, um colega me chamou até a mesa dele para ajudar um cliente na escolha de uns vinhos para um jantar específico. Comecei a dar a minha opinião até que notei o cliente cobrindo a boca com uma das mãos, olhando pra mim e rindo muito...

" Pensamento: Gente... será que falei alguma bobagem"... Olhei pra ele depois com cara de interrogação.

Eis que o fulano fala:

" - Desculpe, é que não consigo acreditar que uma menininha esteja me dando conselhos sobre vinhos... Como é que pode você tão novinha assim saber sobre vinhos?
- Errrr... hum... é que lá em casa a gente começou cedo. (Pensamento: Na verdade eu fiz 3 faculdades e 1 pós-graduação para falar desse jeito, babaca. Não caiu do céu não.)
- Sua mãe colocava vinho do Porto na sua mamadeira para você dormir?
- Ahã. (Pensamento: Isso mesmo! E se a sua tivesse feito o mesmo com você não estaria fazendo perguntas descabidas e invasivas por aí.)".

Aí, um outro dia, em uma negociação intensa na qual deixei claro que não haveria desconto:

"- Escuta aqui, minha menina. Você tem que me dar moleza! Eu gosto é de moleza!
- ... (Pensamento: Ah é? Gosta de moleza? Por que não senta em um pudim então?)."

Ãncreiáble. Mas qualquer dia desses eu respondo.

sábado, 1 de agosto de 2009

El Chavo

Chaves é isso: o clássico do clássico dos anos 80. Só que não ficou só nos anos 80, passa até hoje no SBT... só não sei o horário. Não conheço um só ser que não tenha assistido Chaves durante a sua infância. Talvez a comédia mais boba e desprovida de malícia que já existiu na face da terra. Por isso que era boa. Era entretenimento puro e simples, e os pais só se preocupavam se seus filhos iam ficar mais idiotas... nada de apologia as drogas ou cenas impróprias para menores de 18 anos. O programa tinha uns 100 episódios mais ou menos e o Silvio Santos repetia eles na tv sistematicamente... Foi tanta martelada de Chaves na cabeça, que a minha geração encaixa muitas piadas no dia a dia...

Por exemplo, o namorado. O namorado adora chegar em um restaurante e fazer o pobre do coitado do infeliz do garçon dizer quais os tipos de caipirinha que tem... Assim, no estilo Jaiminho no bar da Dona Florinda...

" - Oi, que frutas para caipirinha vocês têm aqui?
   - Temos limão, lima, lichia, tangerina, amora, morango, frutas vermelhas, abacaxi, kiwi, jaca, melão, melancia, manga, framboesa, maracujá, banana...
   - Vou querer uma de limão."

Sim... pra que pergunta então, meu Deus? Se tem uma coisa que um sujeito pode ter certeza na vida é que todo restaurante que tem caipirinha no cardápio, tem a de limão! Ele sempre pergunta, e sempre pede a de limão!

A minha vontade nessas horas é de dizer: "Pra mim traz só os biscoitos então, por favor".

Mas acho que só eu ia rir (aliás, já estou rindo...).


                                                                     Não tem biscoitos!